Los Angeles – Os traumas e os monstros do passado continuam sendo em Absentia a sombra constante de Stana Katic, uma atriz que se tornou estrela através de Castle (2009-2016) e que sustenta a ideia de que agora o espectador quer personagens imperfeitos e humanos devido a suas fraquezas.

Acho que parte do gênero anti-herói nos foi introduzido através de A Família Soprano (1999-2007) com Tony Soprano. E acho que é algo com que o público de Absentia se identifica e entende,” afirmou ela em uma entrevista virtual com a mídia da qual a Efe participou.

Não estamos procurando um super-herói impenetrável ou cuja única fraqueza seja algo como a kriptonita. Estamos à procura de um super-herói com falhas, porque nós, como público, talvez somos psicologicamente maduros e procuramos protagonistas com os quais possamos nos identificar desta maneira,” acrescentou.

Katic (nascida em Hamilton, Canadá, em 1978) atua como atriz e produtora na trama cheia de reviravoltas de Absentia, cuja terceira temporada estreia na América Latina em 13 de julho no Canal AXN.

Ela está cheia de ação, é sexy e empoderadora,” promete a atriz.

Reconstruir o passado

A premissa de Absentia era realmente turbulenta.

Emily (Stana Katic), uma agente do FBI desaparecida  que foi dada como morta, reaparece viva seis anos depois, sem lembrança alguma do que aconteceu com ela durante seu sequestro.

A partir daí, desenvolveu-se uma complexa trama criminal que remonta à infância de Emily, enquanto ela tentava se reconectar com seu marido Nick (Patrick Heusinger) e seu filho Flynn (Patrick McAuley), que formaram uma nova família após seu desaparecimento.

Este é, afinal, um suspense de entretenimento,” resumiu Katic.

Portanto, nossos fãs podem esperar que esta nova temporada os deixem na beirada de seus assentos momento após momento e espero que episódio após episódio,” acrescentou ela sobre alguns episódios “realmente emocionantes e de roer as unhas“.

Novamente com uma mistura de tensão psicológica e investigação policial, Katic admitiu que esta terceira temporada teve “uma quantidade insana de cenas de ação“.

E, psicologicamente, ela explicou que Emily chegou a um ponto de “cura” após anos “sem controle sobre sua própria vida“, depois de tê-la visto como uma “mulher destruída“, na primeira temporada, e depois “com todo o peso no mundo em seus ombros“, na segunda.

Seus limites estão claros: sua prioridade é sua família, seu filho,” lembra ela.

E a prioridade dela também é sobreviver, de modo que todo o resto é secundário. Ela é contrária a autoridade estabelecida, não se preocupa com organizações ou regras (…). Ela não é uma mulher que segue as regras,” destaca.

Katic também reflete sobre o trabalho preciso e cuidadoso necessário para trazer os problemas de saúde mental para a TV.

São pessoas que não conseguem encontrar a si mesmas, que não conseguem se conectar com uma vida que não entendem (…). Era importante, para mim, tentar expressar isso da maneira mais verdadeira e respeitosa possível, reconhecendo que faço isso quase como ‘forasteira’“, declara.

Produtora sem descanso

Como alguém que é protagonista, mas também produtor de uma série se organiza? “Não há divisão do tempo,” ela confessa.

Se eu não estivesse na frente da câmera, estava em uma ligação com Los Angeles ou em uma sala com outros atores ensaiando cenas. E apenas em raras ocasiões eu poderia dar uma volta…” ela brinca.

Katic seguiu o caminho de outras atrizes de Hollywood que se tornaram produtoras, como Reese Witherspoon, que decidiram assumir o comando: é melhor criar as suas próprias oportunidades com o que você deseja do que esperar sentada até que elas cheguem (ou não).

Entrei na produção de Absentia de uma maneira que não havia sido permitida no passado,” ela diz.

E foi realmente gratificante fazer parte de um processo criativo, do desenvolvimento à montagem. Não ganho todas as batalhas, mas felizmente tenho bons parceiros e posso confiar nos instintos deles, que são muito bons. Então, quando perco, digo: ‘Tudo certo, tudo bem, eu tentei’“, acrescenta.

No entanto, com o poder de consentir de ser produtora, surgem algumas dores de cabeça adicionais.

Absentia conseguiu gravar sua terceira temporada antes do coronavírus interromper as filmagens, mas a pandemia afetou a pós-produção, que teve que ser feita remotamente.

A cadeia de comunicação foi interessante porque é muito mais fácil estar em uma sala e revisar as imagens, poder testar e descartar,” ela diz.

Mas quando se trabalha de maneira remota, se está trocando muitas idéias por e-mail ou telefone (…). Te asseguro que foram muitos e-mails e ligações toda hora,” explica Stana Katic